Caça Maior

A Caça Maior representa a nosso ver o grau de excelência no exercício da actividade cinegética. Pela dimensão e pela nobreza das espécies sobre as quais se pratica, eleva o seu praticante a  obrigatórios patamares supremos de respeito, de ética e de responsabilidade.

No dever de zelar pela conservação e pela boa saúde das espécies,  associado ao de procurar conseguir populações e troféus de qualidade superior, o Caçador e o Gestor, muitas vezes coincidentes, intervêm numa área plena de surpresas, de variantes e de possibilidades.

A percepção cataclísmica do quebrar do mato na carreira do navalheiro que se aproxima do nosso posto, ou a estratégia bem sucedida na aproximação “àquele” veado difícil da Serra, são momentos inolvidáveis de pura Felicidade e a razão profunda desta Paixão. 

Javali

  • Ordem: Artiodactilos S.O. Suiformes
  • Família: Suidae
  • Género: Sus
  • Espécie: Sus Scrofa (Thomas, 1912)
  • Comprimento do corpo: 120 cmComprimento da cauda: 22 cm
  • Altura: 65 cm
  • Peso médio: Machos adultos (Península Ibérica) - 70 a 90 Kg, Femeas adultas (Península Ibérica) - 40 a 65 kg. Ocasionalmente ambos os sexos podem atingir até 150 kg.

BIOLOGIA DA ESPÉCIE

Apesar de ter uma fraca visão, o javali, possuí um grande olfacto e ouvido. Sendo o ouvido uma grande arma de defesa contra qualquer inimigo, pois consegue captar sons imperceptíveis ao homem, é o olfacto o sentido mais desenvolvido, pois permite-lhes detectar comida e inimigos a mais de 100 metros de distância e descobrir mesmo alguns alimentos que se encontram enterrados.

Seus pêlos são grossos e negros medindo cerca de 10 a 13 cm no corpo. Na coluna, as crinas, chegam a atingir 16 cm. Perante um perigo, os javalis eriçam as crinas da coluna tornando-se maior perante os inimigos. A cor da sua pelagem é muito variável, existindo cores desde o negro quase preto, grisalho ou mesmo arrussados e avermelhados. A muda do pêlo tem lugar nos meses de Maio e Junho, sendo que as femeas estando afilhadas têm tendência em mudar mais tarde.

As crias de Javali nascem com umas listas escuras ao longo do corpo, daí o nome de listados, que ao longo dos primeiros meses de existência vão desaparecendo ficando com uma pelagem mais escura.

O Javali é um animal sociavel e pouco territorial que se desloca em grupos matriarcais, normalmente de 3 a 5 femeas com as suas crias. A femea dominante é, em norma, sempre a maior e mais velha. Os jovens machos apesar de acompanharem o grupo vivem um pouco a parte do mesmo. Os machos adultos vivem solitários juntando-se apenas na época do cio. Estes por vezes adoptam um macho mais jovem (Escudeiro) que os acompanha sempre.

O Javali normalmente durante o dia é sedentário, mas durante a noite pode percorrer distâncias consideráveis que podem atingir desde os 2 aos 14 km, utilizando quase sempre os mesmos trajectos e passagens.

O cio dá-se desde Novembro a Janeiro. Nessa altura o macho procura tão activamente femeas receptivas que por vezes esquece de se alimentar. Nessas alturas, quando encontram uma vara de femeas, os machos expulsam as crias do ano anterior e quando necessário lutam contra os seus rivais para conquistarem as femeas. Chegam a travar de 2 a 8 lutas.

Os javalis adoram banhar-se no barro ou lama. Esta acção tem um importante papel na ecologia da espécie, considerando-se as seguintes funções: Como o javali não emite suor, a banha tem como função a regulamentação térmica do corpo; Tem um papel importante a nivel social, inclusivé tem como objectivo a selecção sexual, pois no cio as banhas parecem reservadas só aos machos adultos e dominantes; Serve como desinfestação de parasitas; Serve como marca territorial;

Adaptando-se a qualquer tipo de habitat, o javali tem preferência em zonas de mato fechado onde se encontre comida e àgua. Gosta de florestas densas de pinhal pois para além de protecção, encontram calor no inverno e fresco no verão

O TROFÉU

Os dentes caninos (superiores e inferiores), são o troféu de javali. Quanto mais velho o javali maiores serão os seus dentes. Acontece que com o passar dos anos o javali vai desgastando os dentes tornando-os frágeis e desgatados. Em termos de homologação o javali perde qualidade, mas não deixa de ser um grande troféu e algo que todos os Monteiros sonham cada vez que vão ao campo. O "Velho Solitário" existe no pensamento de qualquer Monteiro!

Métodos de Caça

Trata-se de um processo complexo de caça que engloba o trabalho de muita gente ( caçadores, postores, carregadores, matilheiros e pessoal da organização) e que, por consequência, necessita de ser realizado numa área significativa de terreno, preferencialmente onde existam efectivos razoáveis de animais, que neste processo específico são o Javali, o Veado e pontualmente o Gamo e o Muflão. Pelo trabalho que dá a organizar e pelos cuidados e regras a observar. A organização de uma montaria equipara-se à preparação de uma grande batalha medieval onde apenas se combatia a pé e com armas brancas.

O processo de caça ESPERA é aquele em que o caçador se coloca (ou posta) em local de visibilidade privilegiada sobre um ponto de alimentação, de água ou de passagem para poder observar, seleccionar e cobrar um animal, seja ele de caça maior seja de caça menor. Apesar de tudo, este é o processo mais especificamente destinado á caça do Javali, durante a noite, com o luar por companhia.

A APROXIMAÇÃO é dos processos de caça maior mais apaixonante e desportivo se comparado com os restantes processos. Através dele o caçador tem a possibilidade de se deslocar livremente pelos terrenos de caça, apreciando todo o ambiente que o rodeia, mas sempre tentando vislumbrar os mais leves e distantes movimentos ou pormenores que possam não fazer directamente parte do meio envolvente. Este é o processo de caça, por excelência para todo o tipo de cervídeos (Veados, Gamos e Corços) e para os carneiros (Muflão).

A batida é um processo de caça em tudo semelhante à montaria, mas com dimensões muito menores: é muito menor o número de caçadores, é bastante menor a área da mancha a bater, e igualmente menor o número de cães utilizados, porque agora não basta que sejam os caçadores ou batedores a levantar a caça; se não houver cães treinados para este efeito, os javalis não abandonam os encames e os cervídeos dão uma ou duas voltas dentro da mancha e voltam a deitar-se no mesmo lugar.

O processo de caça "de Salto" é provavelmente aquele que todos os caçadores conhecem. O regulamento da caça em vigor define este processo como "aquele em que o caçador se desloca para procurar, perseguir ou capturar exemplares de espécies cinegéticas que ele próprio levanta, com ou sem auxílio de cães de caça". No entanto, o processo é vulgarmente utilizado sobre a caça menor e constitui, por si, o processo de caça mais natural e mais vulgar para todos os praticantes da caça. Ora, tratando-se de caça maior, a mesma legislação refere que este processo só é permitido para o javali, pelo que as restantes espécies, apenas podem ser caçadas por montaria, batida, espera e aproximação. E contrariamente à ronda este processo só pode ser praticado de dia e, apesar de tudo, com arma de fogo.

Trata-se de um processo de caça parecido com o método de salto, praticado com a ajuda de cães de caça maior, a cavalo, e como armas apenas se utilizam as armas brancas - a lança de ronda ou a faca de remate. Tanto se pode desenvolver de noite como de dia, apesar da verdadeira tradição obrigar a que se realize de noite quando as diferentes espécies de caça maior se encontram fora do mato, nas áreas abertas, mais descuidadas e desprevenidas.

É, para além do mencionado, um processo de caça característico da Península Ibérica, tendo sido intensamente praticado por nobres e plebeus durante todo o século XIX.